Sandra Annenberg.

Iniciou a carreira aos 14 anos, na TV Gazeta. Circulou pelas TVs Cultura, Bandeirantes e Record, até chegar na TV Globo, onde está desde 1991. Ganhou o Prêmio Mulher, da Revista Imprensa, por duas vezes consecutivas, na categoria Melhor Âncora de Telejornal. Sandra Annenberg nasceu em 5 de junho de 1968, em São Paulo (SP). Formou-se em Jornalismo pelas Faculdades Integradas Alcântara Machado (Fiam/SP), em 1994. Filha de uma produtora da TV Cultura, passava as férias escolares nos estúdios da emissora. Sonhava em ser atriz de cinema, mas acabou investindo na televisão, acabando por fazer carreira no Telejornalismo. A primeira aparição na telinha foi no teleteatro Peixes-Banana, aos seis anos de idade, na TV Cultura.

Mal apareceu, mas foi convidada a fazer comerciais para o veículo. Fez mais de cinquenta deles. Iniciou a carreira jornalística aos 14 anos, como repórter do programa CrigRá, apresentado por Marcelo Tas, na TV Gazeta, elaborado pela produtora independente Olhar Eletrônico. Foi para a TV Bandeirantes em 1983, onde, com 15 anos, apresentou o programa Show do Esporte, ao lado de Luciano do Valle e Juarez Soares. Em 1984, comandou o programa infantil TV Criança. Na TV Cultura, apresentou o Vitória, que tratava de Esportes, e os programas de música Grandes Concertos e Festivais de MPB. Na TV Record, apresentou o Sport Shopping Show, ao lado de Osmar Santos, além do Super Esportes.

Deixou o Jornalismo Esportivo e se dedicou ao Teatro, cursando, inclusive, a Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (EAD-USP/SP). Fez um pequeno papel na peça Um Dia Muito Especial, ao lado dos consagrados atores Tarcísio Meira e Glória Menezes. Em 1985, na TV Bandeirantes, participou do programa humorístico Bronco, contracenando dois anos com Ronald Golias, Renata Fronzi e Nair Bello. Fez a minissérie Chapadão do Bugre, em 1988, dirigida por Walter Avancini. Contratada pela Rede Globo, como atriz, participou do seriado Tarcísio & Glória, em 1988, na novela Pacto de Sangue, em 1989 e nas minisséries República, em 1989, e A.E.I.O... Urca, em 1990. Transferiu-se para o SBT, onde participou da novela Cortina de Vidro, ainda em 1990.

Pretendendo ficar em São Paulo, decidiu voltar à atividade de apresentadora. Comandou o TV Franchising, na TV Record e chamou a atenção do Jornalismo da Rede Globo.Voltou para a emissora em junho de 1991, fazendo a previsão do tempo no telejornal São Paulo Já. No mês seguinte, passou a apresentar o mesmo quadro no Jornal Nacional, tornando-se a primeira mulher a ter presença fixa no telejornal. Na ocasião, decidiu abraçar de vez a carreira jornalística. Fez vestibular e iniciou o curso de Jornalismo, que completou sem deixar de progredir na profissão. De abril de 1993 a 1996 apresentou o Fantástico, dividindo a bancada com Celso Freitas e Fátima Bernardes.

Em 1996, voltou para São Paulo, assumindo os cargos de apresentadora e editora-executiva do SPTV – 1ª edição, editado pelo jornalista Fábio Perez. Participou da equipe responsável pela cobertura dos Jogos Olímpicos de Atlanta 1996. Em 1997 e 1998, foi apresentadora e editora-executiva do Jornal da Globo. Entre 1998 e 1999, de novo no Rio de Janeiro, foi editora-executiva do Jornal Hoje, até que, no ano 2000, mudou-se para Londres, onde atuou como correspondente e coordenadora do escritório da emissora naquele país. Cobriu a queda do avião francês Concorde, o drama do submarino russo Krusk, a queda do ditador sérvio Slobodan Milosevic (1941-2006) e as repercussões no continente europeu do atentado de 11 de setembro de 2001 em Nova York.

Voltou para o Brasil em 2003, quando dividiu a apresentação do Jornal Hoje com Carlos Nascimento. No ano seguinte, com a saída de Nascimento, passou a apresentar o telejornal ao lado de Evaristo Costa. Desde abril de 2005, também é editora-chefe e apresenta o Globo Notícia, além de ancorar o Jornal Nacional um sábado por mês. Em junho de 2012, passou a apresentar o Globo Cidadania no lugar de Serginho Groisman. É vencedora dos prêmios Antena de Ouro e Supercap, ambos de 2004, e recebeu o prêmio Mulher, da Revista Imprensa, na categoria Melhor Âncora de Telejornal, nos anos 2008 e 2009.